quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

Ânimo

Façam-me rir mas por favor não me contem anedotas. Sobretudo anedotas parvas. Agora que penso nisso - tenho imenso tempo para pensar, sabiam? - parece-me que todas as anedotas são parvas. E fica por aqui a conversa das anedotas. Mas, vá lá, façam-me rir. Tentem. Contem-me coisas com graça. Com muita graça. Que me façam rir. Estou a precisar de dar umas boas gargalhadas. Daquelas sonoras. Que estremecem as paredes. Que enchem a casa.
Pois é. São poucas as pessoas que me fazem rir, que me desenham um sorriso nos lábios. São tão poucas que - se calhar - as posso contar pelos dedos das mãos. Mas os pouco são bons. E até quando não me fazem rir. Porque lhes sinto o abraço, o ombro amigo, a mão estendida. Porque lhes vejo o sorriso, a alma lavada, o coração grande. E por isso beijo-lhes a bondade. Agradeço-lhes a disponibilidade. Porque mesmo quando não me fazem rir, tentam. Sem ser com anedotas parvas. E quando não me fazem sorrir à primeira, continuam a oferecer-me um imenso sorriso, um abraço, uma semente de esperança. E lembram-me a necessidade de continuar a acreditar.
Acredito.

1 comentário:

Natália Abreu disse...

Fico feliz por te ver de regresso! Por ler os teus textos! Por ouvir os teus textos. Sim, porque os textos também se ouvem, os teus pelo menos. Da mesma forma que se pintam sentimentos...
De te fazer rir não sei se sou capaz... Nunca tive muito jeito para graçolas! Só te consegui fazer rir ao fazer asneiras e a "lançar fogo à malta". Mas posso garantir que, sempre que precisares de uma cabecinha para moer, de um braço ou abraço, de um mimo (sei que não gostas destas mariquices), ou de qualquer outra coisa (excepto euros), estás à vontade para ligar, gritar, "mailar" ou qualquer outra coisa. E sabes porquê? Porque gosto de ti! E sabes porque é que gosto de ti? Porque sim, ora bolas!!!