quarta-feira, 11 de julho de 2007

As Rotas do Sonho I

Este blog tem um mês e apeteceu-me assinalar a data. Como costumo assinalar o primeiro mês de vida dos sobrinhos que a vida e o afecto dos amigos me deram.
Sebastião da Gama é o patrono deste espaço. Da pena inspirada do vate da Arrábida saíram poemas que me aquecem a alma. Um deles dá o mote a este blogue. O que se segue fala de um pássaro ferido...
Em tempos quiseram - de alguma forma - cortar-me as asas. Em tempos quiseram - também de alguma forma - quebrar-me o bico. Numa altura em que ensaio novamente voos mais altos e continuo a cantar um bocadinho desafinada, posso sempre dizer que nunca me roubaram a noite, nem a dignidade.
Tenho um imenso mar para navegar, tenho ventos de feição e sigo em velocidade de cruzeiro. Levo comigo uma mochila levezinha muito cheia de afectos de gente que também gosta muito de palavras e às vezes das minhas.

1 comentário:

Pilar disse...

As palavras

São como um cristal,
as palavras.
Algumas, um punhal,
um incêndio.
Outras,
orvalho apenas.

Secretas vêm, cheias de memória.
Inseguras navegam:
barcos ou beijos,
as águas estremecem.

Desamparadas, inocentes,
leves.
Tecidas são de luz
e são a noite.
E mesmo pálidas
verdes paraísos lembram ainda.

Quem as escuta? Quem
as recolhe, assim,
cruéis, desfeitas,
nas suas conchas puras?

Eugénio de Andrade.

Parabéns por este mês de vida, ficando a espera de muitos mais.